Detalhes Curriculum

A bem da verdade, eu me formei, oficialmente pela Universidade Católica do
Chile, em Santiago. O campus ficava na Av. Vicuña Mackenna.  Em 1964, eu
estava no ultimo ano de engenharia, faltando apenas dois meses para eu me
formar, quando em setembro, eu caí – nossa linguagem na época.

A polícia política de Adhemar de Barros - DOPS, então governador de São
Paulo, nos detectou e ficamos conhecidos publicamente como
Os Guerrilheiros
de Santo André, ou do ABC
.

Minhas notas eram excelentes e suficientes para eu me formar, mas o Prof.
Borges, adversário político à época, questionou meu número de faltas. Meu
nome constou, inclusive, da nossa lista de formatura. Por isso me considero
formado pelo Mackenzie.

Esses dois meses me custaram um enorme trabalho. A primeira dificuldade
foi conseguir os papeis de meus estudos na Escola de Engenharia da
Universidade Mackenzie. Graças ao meu inestimável amigo e colega de
turma, Leandro Meyer, esse primeiro passo foi superado. A PUC do Chile
aceitou os papéis e me exigiu um ano, ou pouco mais, de estudos,
aproximadamente.  Amigos exilados me conseguiram trabalho como
engenheiro, ou quase engenheiro, numa estatal chilena, chamada Servicio de
Cooperation Tecnica, filial de la Corporacion  del Fomento a la Producción,
mais conhecida pelo acrônimo  CORFO. O local ficava em Talca, uns 220 km
ao sul de Santiago. O trabalho consistia na assessoria e no apoio às pequenas
empresas na província de Maule. Eu trabalhava e estudava.

Acontece que a Universidade Católica de então, devido a um convenio com
universidades americanas, estava léguas de distância à nossa frente em
questões teóricas, como, por exemplo, em analise matricial, ferramenta
essencial para os estudos de cálculo estrutural anti-sísmico e da ciência de
computação, então nascente. Ali, conheci, pela primeira vez, um computador,
uma verdadeira barca, enorme.

Apesar disso, minha tese de formatura,
Resistencia al Esfuerzo Cortante en
Vigas de Hormigon Armado Sometidas a Flexion Simple
, 1970, recebeu nota
máxima. Devido ao excelente crescimento econômico brasileiro à época, nós
estávamos a frente do Chile em questões práticas, como estruturas em
concreto armado.